Saiba quem são os integrantes do Júri Final de 2017

Post atualizado em 12 de setembro de 2017.

A Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo publicou no dia 2 de agosto no Diário Oficial os nomes do Júri Final do Prêmio São Paulo de Literatura de 2017: Alcir Pécora, Cintia Alves, Flavio Cafiero, Leyla Perrone-Moisés e Livia Deorsola. No dia 12 de setembro, foi publicado no Diário Oficial a Resolução SC – 43, que altera um membro do Júri Final da décima edição do concurso: o escritor e editor Alonso Alvarez Lopes substitui a editora Livia Deorsola. Confira os currículos dos jurados neste link.

Leia a publicação no Diário Oficial do dia 2 de agosto de 2017.
Leia a publicação no Diário Oficial do dia 12 de setembro de 2017.

O Prêmio São Paulo de Literatura seleciona os melhores livros de ficção, escritos em língua portuguesa, originalmente editados e publicados no Brasil. Foi lançado em 2008 e integra uma série de projetos da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo. Autores consagrados e escritores estreantes participam do concurso, que reúne o melhor da produção literária brasileira do gênero romance.

Os jurados são críticos literários, escritores, livreiros, bibliotecários, mediadores de leitura, professores universitários e profissionais atuantes na área literária. Esta composição é fundamental para contemplar todos os segmentos que se entrelaçam no processo produtivo do livro, desde a concepção da obra literária até o seu consumo e fruição pelo público leitor.

Esta importante diferenciação conceitual está presente na sua origem, conferindo ao prêmio uma peculiaridade em relação aos concursos similares, pois amplia e diversifica o olhar crítico para melhor avaliação do conteúdo dos romances inscritos a cada edição.

Leia Mais →
Compartilhar:

Curadoria define Júri Final do Prêmio São Paulo deste ano
O Júri Final foi definido pela curadoria do Prêmio São Paulo de Literatura nesta sexta-feira, 30 de junho.  São eles que vão escolher os três vencedores da nona edição do concurso. Este júri é formado por cinco profissionais com larga experiência no meio literário. Saiba mais sobre o currículo de cada um e leia a publicação no Diário Oficial._

Adriano Schwartz
Adriano Schwartz possui graduação em Jornalismo pela Universidade de São Paulo (1993), doutorado em Letras (Teoria Literária e Literatura Comparada) pela Universidade de São Paulo (2003) e pós-doutorado pela Princeton University (2011). É professor de literatura contemporânea na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP e orientador no programa de pós-graduação em Estudos Culturais (EACH/USP). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em teoria literária e literatura comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: teorias da ficção, relações entre autobiografia e ficção e romance contemporâneo.

Elisabeth Brait
Elisabeth Brait, assinatura Beth Brait, é crítica, ensaísta, professor associado da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e professor associado aposentado da Universidade de São Paulo. Fez Graduação em Letras, doutorado em Linguística, Livre-Docência em Linguística na USP; pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales – Paris/França. É pesquisadora nível 1 do CNPq; Assessora da CAPES, do CNPq e da FAPESP; líder do GP/CNPq/PUC-SP Linguagem, Identidade e Memória; criadora e editora do periódico Bakhtiniana. Revista de Estudos do Discurso (QUALIS A1/SCIELO/Apoio CNPq). Dentre as atividades acadêmico-administrativas relevantes destacam-se: Chefe de Departamento de Linguística/DL/FFLCH/USP (1994-1997); Coordenadora do PEPG em LAEL-PUC-SP (2001-2009); Presidente da ANPOLL (2004-2006); Membro do Comitê Assessor do CNPq/Área de Letras e Linguística (2010-2013); Coordenadora do GT/ANPOLL Estudos Bakhtinianos (2010-2014); representante da FAFICLA/PUC-SP no CEPE (2009-2011; 2013-2014). Foi crítica militante de literatura no Jornal da Tarde e outros periódicos paulistas durante as décadas de 70 e 80. Dentre as atividades editoriais destacam-se a participação em vários conselhos e comissões editoriais de periódicos científicos, caso da Revista da ANPOLL – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística – e do Conselho Editorial da Editora Humanitas da FFLCH/USP; coordenação das coleções Lendo e Documentos da Atual Editora (década de 1980) e da Área Linguagens e Códigos, da coleção didática das Escolas Associadas Pueri Domus (24 fascículos publicados); colaboração na Revista LÍNGUA Portuguesa. Atua nas áreas de Teoria e análise do texto e do discurso, Estudos Bakhtinianos, Análise dialógica do discurso, leitura e análise da verbo-visualidade e estudos literários.

Estêvão Andozia Azevêdo
Estevão Azevedo nasceu em Natal (RN) e vive em São Paulo. É editor e mestre em literatura brasileira pela Universidade de São Paulo (USP). Em 2005, publicou o livro de contos O som do nada acontecendo (coletivo Edições K). Seu primeiro romance, Nunca o nome do menino (Terceiro Nome, 2008), foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura em 2009. Tem contos publicados em revistas e na antologia de escritores brasileiros Popcorn unterm Zuckerhut – Junge brasilianische literatur, lançada em 2013 na Alemanha. Com Tempo de espalhar pedras, que foi lançado na Itália em 2016, “Tempo di spargere pietre”, ganhou a 8ª edição do prêmio São Paulo de Literatura. Estevão Azevedo nasceu em Natal (RN) e vive em São Paulo. É editor e mestre em literatura brasileira pela Universidade de São Paulo (USP). Em 2005, publicou o livro de contos O som do nada acontecendo (coletivo Edições K). Seu primeiro romance, Nunca o nome do menino (Terceiro Nome, 2008), foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura em 2009. Tem contos publicados em revistas e na antologia de escritores brasileiros Popcorn unterm Zuckerhut – Junge brasilianische literatur, lançada em 2013 na Alemanha. Com Tempo de espalhar pedras, que foi lançado na Itália em 2016, “Tempo di spargere pietre”, ganhou a 8ª edição do prêmio São Paulo de Literatura.

Heloisa Beatriz Goulart Jahn
Heloisa Jahn é tradutora e editora. Mora em São Paulo.

Ronald Polito de Oliveira
Ronald Polito é poeta e tradutor. Publicou os livros de poemas Solo, Vaga, Objeto, Intervalos, De passagem, Pelo corpo (com Donizete Galvão), Terminal e Ao abrigo e o infanto-juvenil A galinha e outros bichos inteligentes, com poemas visuais de Guto Lacaz. Traduziu escritores catalães como Joan Brossa, Narcís Comadira, Carles Camps Mundó e Maria Mercè-Marçal, e de língua castelhana como José Juan Tablada, Renato Leduc, Octavio Paz, Luis Cernuda, Roberto Echavarren, Mario Arteca e Jorge Tamargo. Fez o estabelecimento de textos de Tomás Antônio Gonzaga, frei José de Santa Rita Durão, Manuel Inácio da Silva Alvarenga, Joaquim Manuel de Macedo e Carlos Drummond de Andrade.

Leia Mais →
Compartilhar: