CATEGORIA AUTOR

Bartolomeu Campos de Queirós

Vermelho amargo
Cosac Naify

Um narrador em primeira pessoa revisita a dolorosa infância, marcada pela ausência da mãe substituída por uma madrasta indiferente. Há os irmãos, filhos de um pai que não larga o álcool e de uma madrasta que serve em todas as refeições fatia cada vez mais finas de tomate. Eles desenvolvem diversas anomalias para tentar suprir a ausência de afeto e a saudade da mãe – um come vidro, a outra não larga as agulhas e o ponto cruz.


Bartolomeu Campos de Queirós nasceu em 1944 e viveu a infância em Papagaio (MG). Formou-se em educação e artes, e criou-se como humanista. Com mais de 40 livros publicados, recebeu prêmios importantes, como Grande Prêmio da Crítica em Literatura Infantil/Juvenil pela APCA, Jabuti, FNLIJ e Academia Brasileira de Letras. Faleceu em 16 de janeiro de 2012.

CATEGORIA AUTOR ESTREANTE

Suzana Montoro

Os hungareses
Ofício das Palavras

Existe um fato alegórico que representa o romance, a mudança de nacionalidade da aldeia. O não falar que este momento provoca permeia todo o relato. Os personagens narram suas relações, porém a interação deles é pobre como a linguagem que perderam A autora traz a saga de um povo sofrido, pobre, sem recursos, em meio a guerras, mortes, separações, doenças, mas que mantém sempre uma alegria e uma maneira de encarar a vida.


Paulistana, nascida em 1957, formou-se em Psicologia em 1979. Atua como psicoterapeuta clínica. Dedica-se, paralelamente, à atividade literária. Já publicou livros para crianças e jovens, que receberam o selo de “Altamente Recomendável” pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, onde se destacam O Menino das Chuvas (1994) e Em busca da sombra (1999).

 

Leia Mais →
Compartilhar:

MELHOR LIVRO DO ANO 2011

Adriana Lunardi – A vendedora de fósforos (Rocco)
Bartolomeu Campos De Queirós – Vermelho amargo  (Cosac Naify)
Domingos Pellegrini – Herança de Maria (Leya)
Hélio Pólvora – Don Solidon (Casarão do Verbo)
Luiz Ruffato – Domingos sem Deus (Record)
Luiz Vilela – Perdição (Record)
Michel Laub – Diário da queda (Companhia das Letras)
Paulo Scott – Habitante irreal (Alfaguara)
Silvio Lancellotti – Em nome do pai dos burros (Global)
Tatiana Salem Levy – Dois rios (Record)

MELHOR LIVRO DE ROMANCE DO ANO - AUTOR ESTREANTE

Ana Mariano – Atado de ervas (LP&M)
Bernardo Kucinski – K (Expressão Popular)
Chico Lopes – O estranho no corredor (Editora 34)
Edmar Monteiro Filho – Fita azul (Babel)
Eliane Brum – Uma duas (Leya)
Júlian Fuks – Procura do romance (Record)
Luciana Hidalgo – O passeador (Rocco)
Marcos Bagno – As memórias de Eugênia (Positivo)
Susana Fuentes – Luzia (7 Letras)
Suzana Montoro – Os hungareses (Ofício da Palavra)

Leia Mais →
Compartilhar: